Indicadores de PDV: como medir o desempenho da unidade

indicadores de pdv

O que não é calculado pode não poder analisado e nem utilizado para planejamento de melhorias ou correção de erros. Por isso, acompanhar indicadores de PDV é essencial para toda empresa ou unidade que deseje maximizar desempenho e resultados.

Há uma série de indicadores que podem ser monitorados, os principais sendo os financeiros e de performance de vendas e gestão. Eles influenciam diretamente em resultados posteriores, como lucro, redução de custos, aumento da satisfação de clientes e elevação dos número de compradores.

A seguir, vamos abordar sete desses indicadores, sua importância e como utilizá-los.

Vendas por m²

Medindo o espaço no qual mercadorias ficam expostas, e relacionando a metragem com valores de faturamento dos produtos alocados nesse espaço, a empresa pode calcular o quanto vende por metro quadrado de área.

Esse indicador serve para medir a eficiência da disposição e do planejamento de gôndolas, expositores, outros móveis e do layout em geral do ponto de venda. Assim, é possível realizar mudanças periodicamente e medir a performance de cada tipo de organização para chegar ao layout que mais gera vendas.

Ticket médio

O ticket por cliente é o resultado da divisão do faturamento de um período pelo número total de clientes da mesma época, que pode ser definido pelo número de vendas efetivadas.

A métrica ainda pode ser relacionada com outros indicadores de PDV, que vão propiciar ideias para elevação de seu número. Por exemplo, aumentando as vendas por m² com uma mudança de organização no estabelecimento é possível elevar o ticket médio com mais vendas casadas ou influenciando as compras por impulso na frente de caixa.

Índice de satisfação do cliente

Clientes satisfeitos voltam a comprar no mesmo comércio e ainda o indicam a pessoas de seus círculos pessoais e profissionais. Logo, é extremamente importante manter o índice alto, tanto para não perder receita quanto para faturar mais com indicações.

Para medir a satisfação, é imprescindível ter contato com os clientes, o que pode ser feito pelo site da empresa, por aplicativo para smartphones ou mesmo por uma pesquisa feita dentro do estabelecimento por algum dos funcionários.

Além de coletar o percentual de satisfação dos consumidores, o negócio deve também buscar respostas para entender os motivos das pessoas não satisfeitas. Isso porque essas respostas ajudam a implementar melhorias para a retenção de mais clientes no futuro e até recuperação de insatisfeitos.

Giro de estoque

Medido normalmente em índice anual, o giro de estoque aponta quantas vezes em um ano ele é renovado — observando o volume médio de estoque mantido para o produto específico. Por exemplo, se determinado item conta com um estoque médio de 2 mil unidades e em um ano são vendidas 10 mil unidades, o giro de estoque dessa mercadoria é 5.

Esse é um dos indicadores de PDV mais importantes porque tem relação direta com gestão de estoque e vendas. Um giro muito baixo pode demonstrar que o produto tem estoque excedente ou que ele não tem boa aceitação por parte dos clientes do estabelecimento. Seja qual for o problema, se baseia em dados e, portanto, deve ser identificado e corrigido.

Por outro lado, o alto giro indica boa aceitação, alto volume de consumidores e boas estratégias de marketing e exposição. Logo, é possível elevar as vendas desse item ou aumentar a saída de outros em vendas casadas, aproveitando a boa performance da mercadoria primária.

Ruptura

A falta de produtos é um dos maiores problemas pelos quais varejistas e profissionais de outros estabelecimentos podem passar. A ocorrência não só gera a perda de vendas, mas também pode causar a perda de clientes por insatisfação.

Por isso, é necessário calcular o índice de ruptura: o quanto os produtos em falta representam percentualmente em relação ao estoque total em exposição.

Os causadores da ruptura podem ser tanto internos, quanto má gestão do estoque e falta de planejamento de compras, quanto externas, como atrasos de fornecedores. Então, é preciso monitorar também a frequência com que rupturas acontecem e seus motivos para buscar soluções paliativas ou permanentes que vão resolver o problema da empresa.

Taxa de devoluções

Devoluções de compras podem ocorrer por motivos como:

  • erros fiscais de fornecedores;
  • entrega de pedidos fora das especificações;
  • recebimento de itens avariados.

Seja qual for a causa de uma devolução, o importante é que não volte a se repetir, pois isso pode causar rupturas para o ponto de venda. Sendo assim, se a taxa for alta pode ser necessário buscar outros fornecedores para a empresa ter segurança em relação ao seu estoque.

Custo das mercadorias vendidas

Como um dos objetivos do varejo é maximizar a margem de lucro, o custo das vendas deve ser o menor possível. Portanto, esse é um importante indicador a ser acompanhado, já que aponta quanto o estabelecimento gasta para realizar suas vendas considerando todo o estoque adquirido e o quanto gera em lucro bruto.

A conta é a seguinte:

  • valor do estoque inicial + compras + devoluções de clientes – devoluções a fornecedores – valor de estoque final.

Para um cálculo mais exato e fácil de analisar, pode ser feito para cada tipo de produto ou categoria, e não considerando todo o estoque do negócio.

Com esses sete indicadores de PDV, você pode melhorar a gestão do negócio ou da sua unidade de varejo e contar com informações para frequentemente buscar fatia de mercado maior e lucratividade crescente.

Agora, siga a nossa empresa nas redes sociais para acompanhar nossas próximas publicações focadas nas necessidades dos varejistas. Estamos no Facebook e no LinkedIn.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Open chat
Como podemos ajudá-lo?